sexta-feira, 22 de julho de 2016

How to: have an exciting summer


Bom dia, pessoal! Como têm sido as vossas férias? Eu não tenho feito nada de especial porque vivo numa vila pequenina longe de todos os cinemas, centros comerciais e locais socialmente atrativos. Portanto tenho passado os meus dias a mudar entre o sofá e a cama e o telemóvel e o computador. O verão não é (de todo) uma das minhas estações favoritas, odeio o calor e não consigo subir as escadas sem ficar toda suada. Por isso acabo por me sentir mais em baixo, tenho mais tempo para estar sozinha com os meus pensamentos e, por norma, estes dias nunca acabam bem. Então venho partilhar uns conselhos com vocês para que não se sintam desanimados com as férias quando há tanto para fazer.
1. Sair de casa. Se não são como eu e até têm alguma tolerância ao calor, vão lá para fora dar um passeio, fazer exercício ou passear os vossos animais de estimação. Se tiverem um quintal, tirem uns minutos para o regar ou plantar flores. Aproveitem e façam alguma coisa produtiva, vão ver que se sentem muito melhor no final.
2. Ler um livro. Esta é um bocado óbvia, acho eu, pelo menos é o que a minha mãe me diz sempre quando estou aborrecida. Há tanta coisa por aí para ler, eu tenho quatro livros na lista de espera para serem lidos, basta-me só ganhar coragem para largar a wifi.
3. Começar a ver uma série. Procurem na net as séries com melhor pontuação no IMDB ou no Rotten Tomatoes e comecem a ver do início. Vai ocupar-vos a mente e o tempo, para não mencionar que ver séries é super divertido e emocionante, mas com a vantagem que não vão ter de esperar pelo próximo episódio!
4. Brincar com roupa e maquilhagem. Se gostam de moda e maquilhagem, façam experiências. Imaginem um cenário em que iam numa girls night out ou numa saída romântica e façam o look completo. Aproveitem e, se ficar ao vosso agrado, tirem fotos para mostrar aos vossos amigos como conseguem tornar-se numa pessoa totalmente diferente só com uma mudança de roupa e maquilhagem.
5. Começar algo novo. E com algo quero dizer qualquer coisa que gostem, uma pintura, um poema, um blog, um canal de YouTube, um álbum de fotos (vossas, que vocês tiraram, etc). Experimentem coisas novas ou voltem para o que gostam e ponham as mãos à obra!
São estes os conselhos que tenho para vos dar, e espero que ajudem! E vocês, que outros conselhos gostavam de partilhar? Deixem nos comentários as vossas sugestões e se estes conselhos funcionam para vocês. Tenham umas ótimas férias e aproveitem!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Anorexia, mas para sempre?


Olá, Blogger! Meus caros e dedicados seguidores, peço-vos desculpa pelas semanas que passei sem vos escrever, mas, apesar de estar de férias, parece que ainda tenho menos tempo para me sentar durante um bocado. Espero que os exames tenham corrido bem a toda a gente! Hoje consegui um bocadinho de paciência e vou falar-vos do que têm sido os meus dias e de algumas coisinhas que me têm incomodado ultimamente.
Apesar de já terem passado mais de dois anos desde que consegui recuperar da anorexia, parece que vai haver sempre uma voz na minha cabeça a dizer "essa pizza tem tanta gordura" ou "tens a certeza de que queres comer esse gelado?". Quando eu estava no pico da minha anorexia, a minha tia (de quem eu gosto muito e temos uma relação brutal) veio a minha casa para lancharmos um dia e trouxe uma amiga. Essa amiga dela passou pelo mesmo, ela teve anorexia quando era muito nova e, depois de ela me contar a história toda, eu fiz-lhe algumas perguntas. Perguntei-lhe se ela se tinha curado completamente, ou se ainda tinha algo de anorética nela. Ela respondeu-me que, apesar de não ter uma obsessão, ainda tinha alguns pensamentos que duraram desde aquela altura.
Eu acho exatamente o mesmo. Hoje a minha mãe comprou-me uma lasanha para o almoço e eu comi-a, mas não fui capaz de a comer toda. Só sentir as natas na minha boca me tirou a fome e a vontade de comer, porque sabia as calorias que aquilo tinha e o que ia fazer ao meu corpo. Nunca fui confiante com o meu corpo, lembro-me de ter complexos no primeiro ciclo, quando os meus colegas me chamavam gorda ou mesmo só gorducha. Agora, com 17 anos, dou muito mais importância à minha aparência e tenho o poder de mudar algumas coisas que não me agradam.
Mas assusta-me, sabem? Assusta-me que, dois anos depois, não sou capaz de comer um pedaço de lasanha sem lhe dar importância. Não tenho nenhuma obsessão nesta fase e estou confiante quando digo que não vou ter num futuro próximo, mas não sei dizer se algum dia esta voz vai desaparecer.


Foto: https://www.buzzfeed.com/maggyvaneijk/tree-of-life?bffbhealth&utm_term=.rf71238NP#.pqvnK1wvY